9 de janeiro de 2018

Mas que fardo este!


Todos os dias a cena repete-se. Pensar no que vou fazer para o almoço e para o jantar. Revirar o frigorífico, o congelador, ajustar as receitas de forma a que a Alice também possa comer... Uffa! Chego ao fim da semana e honestamente só me apetece atirar os tachos pela janela. E perguntam vocês: então mas não cozinhas desde que moras sozinha, porque te estás agora a queixar?! Eu explico, meus amigos. Não é cliché nenhum quando dizemos que um filho muda tudo, porque na verdade, muda.Quem vos disser o contrário está a pregar-vos a maior mentira de que há memória. Por exemplo, antes não existia aquela obrigatoriedade de fazer as coisas. Somos adultos, se não apetecesse cozinhar, podíamos muito bem comer uns cereais ou umas porcarias mais calóricas e a coisa passava. 
SHARE:

8 de janeiro de 2018

Sem título - Só porque não encontrei um


1,2... Escuto. Som. Escuto. Sou eu sim, e estou cá ainda. Há sensivelmente dez meses que não escrevo uma única linha neste blogue. Podia-me desculpar com a falta de tempo e tal, que isto da maternidade consome o cérebro de uma pessoa e depois não sobram ideias para mais nada. Não deixa de ser verdade, porém, já diz o ditado "quem corre por gosto, não cansa" que, basicamente, era o que me costumava acontecer. 

Comecei este blogue em 2008 (WTF??) com um propósito extremamente importante nos dias que correm. Ou seja, com propósito nenhum. F*da-se, alguém que esteja na idade adulta se lembra da sensação de liberdade que é começar uma actividade qualquer só porque sim? Olha, apeteceu-me e fiz. Sem filtros, sem fazer contas, sem perguntar a ninguém, sem pensar em horários ou rotinas ou banhos e roupas por passar. Criei um blogue só porque sim. Apetecia-me escrever e tanto fazia se alguém o lia ou não. A minha satisfação depois daquela catarse diária era exactamente a mesma. 
SHARE:

1 de março de 2017

#desabafo

São tantas, mas tantas as saudades dos blogs "antigos", de bloggar como antigamente, que vocês nem fazem ideia. Hoje em dia, conto pelos dedos de uma mão os blogs - melhor dizendo - sites, que frequento. Parece-me sempre tudo tão "mascarado" (bem a propósito do Carnaval), tão falsamente perfeito, que não há meio de me identificar com quem os escreve. E estas ideias estão tão presentes em mim que, se voltar a escrever em força neste blogue, vai ter que ser de outra forma. 
SHARE:

21 de fevereiro de 2017

A razão da ausência

Que este blogue andava parado já toda a gente tinha percebido, mas ultimamente a coisa piorou bastante. Andava cheia de vontade de vos contar o real motivo mas não o podia fazer sem ter certezas. [Não, não estou novamente grávida :)] Simplesmente - dito assim até parece verdade - vou mudar de casa. E toda a logística que isso implica, senhoras? A somar a uma bebé de oito meses, fofa que só ela, mas que dá o trabalho que todas nós já conhecemos. 


Actualmente temos uma casa que, apesar de ser de dois quartos, tem áreas minúsculas, e já andávamos bastante fartos de ver tudo amontoado. Ele é carrinhos, cadeira de papa, espreguiçadeira, trocador.... Tenho nas minhas pernas provas físicas de como tem sido difícil viver assim. :) 

E se a parte da escolha da casa nova até é entusiasmante e divertida, o que se segue são (quase) só dores de cabeça. Papeis, banco, certidões, avaliações, mais papeis, mais banco, ufa! Escritura marcada e finalmente acabaram-se as dores de cabeça! Ahhhh tão bom! Não, nada disso! Agora a casa nova - que nem é assim tão nova - precisa de pequenas obras. Empreiteiros, tintas, papeis de parede e mais dores de cabeça. Vá, esta parte da decoração nem é assim tão má, não vamos exagerar. Mau mesmo é encaixotar uma vida inteira de coisas. Quer dizer... Três vidas inteiras de coisas mais o gato. Comecei hoje e já estou pelos cabelos. Posso fugir só com a roupa do corpo?
SHARE:
© Perturbações. All rights reserved.
BLOGGER TEMPLATE BY pipdig