18 de outubro de 2012

As decisões adiadas

Acredito que hoje em dia, este tema seja transversal a muitas famílias. Ainda assim, é impossível não falar dele. Quanto mais não seja por desabafo, para lavar a alma e fazer um pouco de catarse. Ser mãe sempre foi um objectivo de vida. Talvez mais que isso. Sempre foi algo dado como adquirido. Um dia, quando conhecesse a pessoa certa, teria filhos, ponto. Claro que poderia dar-se o caso de ter algum problema e, biologicamente não ser possível, mas essa era uma ideia remota. 

Há uns anos atrás, aquando da minha adolescência e dos planos para o futuro, nunca me passou pela cabeça que, uns governantes incompetentes ou uns gajos do FMI, (o que era isso? nem tinha ideia) fossem os responsáveis pelo adiar constante do sonho. Uma vez adulta, podia ganhar um pouco mais ou um pouco menos, conforme as habilitações académicas que conseguisse alcançar talvez, mas ainda assim, a coisa dava-se. Mas afinal não. Quem como eu, vive esta crise na casa dos trinta, depara-se com o terrível fardo de adiar constantemente uma decisão que um dia destes deixa de existir. Porque qualquer dia, já não haverá nada para decidir, e a biologia encarregar-se-á de fazer isso por nós.
SHARE:

29 comentários

  1. Compreendo o que dizes mas Raquel nunca desistas desse sonho e às vezes não devemos pensar demasiado...

    ResponderEliminar
  2. eu diria há meses atrás...deixa acontecer sem pensar mt...agora já nao sei...tou na mesma situação...

    ResponderEliminar
  3. tal como tu, estou na casa nos trinta, aliás vou entrar ja no próximo mês, e devido a esta crise, não é a maternidade que ando a adiar, mas sim o casamento... sinceramente ainda nao senti o despertar do relógio biológico, como lhe chamam... nem muito menos de uma grande festa de casamento, apenas queria partilhar por completo a vida com a pessoa que mais amo, e deixar de depender dos meus pais... com a minha idade so arranjei trabalho precário, tenho uma licenciatura que em nada me adianta, e sinceramente, penso que África será o meu destino...

    ResponderEliminar
  4. Ontem chorei face a esta mesma constatação. Há sonhos que não merecem ser adiados, mas concretizá-los neste momento cada vez mais me parece um acto de irresponsabilidade...

    ResponderEliminar
  5. A minha bebé est+a prestes a fazer 6 meses e apesar da situação já não estar fácil quando engravidei, agr mt menos... Se fosse agora pensava duas, três e quatro vezes...
    Mas a verdade é que existe smpr qq coisa que nos pode levar a adiar a maternidade, para ser tudo perfeito, nem na menopausa...
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Tenho 28 anos, praticamente 29 e antes de pensar na maternidade, o que me assusta neste momento é pensar será que algum dia vou conseguir sair de casa dos meus pais? Ser independente? Ter uma vida a dois? Estas noticias dos ultimos dias só servem para nos tirar a esperança!

    ResponderEliminar
  7. Tenho 28 anos, praticamente 29 e antes de pensar na maternidade, o que me assusta neste momento é pensar será que algum dia vou conseguir sair de casa dos meus pais? Ser independente? Ter uma vida a dois? Estas noticias dos ultimos dias só servem para nos tirar a esperança!

    ResponderEliminar
  8. Penso que sabes que este é umtema que me é particularmente importante.Porque há anos que tento engravidar. Nesta fase, quase a ficar desempregada, as pessoas dizem que se calhar devia adiar e parar os tratamentos e acham-me doida quando digo que nem pensar. Sei que será extremamente complicado só com um salário (e que não é grande coisa), com casa e contas para pagar, mas jamais deixaria de o tentar. Não depois de uma luta que já vai tão longa e de ser o que mais quero nesta vida.

    ResponderEliminar
  9. Estas podiam ser as minhas palavras, e isto deixa-me tão triste.

    ResponderEliminar
  10. Eu nem consigo imaginar quanto pode ser angustiante, mas não podemos deixar a crise comandar algo que, no fundo, não depende apenas de nós...

    Aquilo que eu tenho a dizer sobre precisamente este assunto, está aqui:

    http://maravilhasmaternidade.blogspot.pt/2012/09/a-crise-nao-pode-vencer.html

    ResponderEliminar
  11. Eu sei q se calhar não estou a ser mt consciente, mas deixei de ter esse pensamento. ;)
    Olha vamos lá ver.

    Beijocas

    P.S. Nunca desistas dos teus sonhos.

    ResponderEliminar
  12. Compreendo perfeitamente e estou na mesma situação.
    Tenho 31 anos e estou a contrato que acaba no início do próximo ano... e agora??? ... :S quando será que vou arranjar outro trabalho? Todos os dias envio CV, procuro anuncios quase inexistentes.... Quanto tempo ficarei desempregada?

    ResponderEliminar
  13. Compreendo muito bem o que dizes, só tenho 25 mas vejo isto tão mau que ja perdi a esperança de ter um filho antes dos 30. Ter um filho?? E sair da casa dos pais? E deixar de receber mesada? Meu Deus, cada vez mais estamos a perder qualidade de vida. Já não somos seres independentes nem livres :(

    ResponderEliminar
  14. Também partilho da mesma opinião.
    Se por um lado queremos muito ser mães, por outro temos o raio da crise a dar-nos conta do sonho. E até quando poderemos adiar mais?
    Costumo dizer "sou muito respónsavel, porque se não fosse ao tempo que eu já era mãe" ;)
    Mas se formos a pensar muito e a adiar nunca mais é...:(

    ResponderEliminar
  15. Raquel vou-te deixar um conselho, esquece o dinheiro, tudo se cria, é verdade que não é fácil, mas se não for com roupa nova é usada. Eu não gosto de usar roupa emprestada, mesmo que seja do meu sobrinho, mas já tive que usar e olha, haja amor e compreensão!!! E se não comprar os cremes da Aderma, compro da Jonhson. Uns meses melhor outros pior, as coisas lá se vão resolvendo. Se não der para pediatra privado, dá para o centro de saude, mas não adies esse sonho! É certo que nos privamos de muita coisa, e falo por mim claro, mas é gratificante por mais que os primeiros meses sejam muito complicados!

    Vai em frente sem pensar muito, porque os anos vão passando, e sendo a Bé uma pessoa que admiro, deixo um beijinho e muita sorte nessa luta :)

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  16. Este Governo está mesmo a tirar-nos tudo! :( Ainda sou nova, vá tenho 24, sempre disse que queria ter o 1º filho aos 30, para ter toda a estabilidade económica que as crianças precisam e merecem, por isso entendo o que dizes.
    Continuo a ter a esperança de que tudo mudará, mas não aqui... Vai ser preciso sair e procurar noutro lado.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  17. Tenho 32 anos. Descobri que estava grávida em Março o meu contrato de trabalho acabava em Agosto e mesmo assim entrei em 2012 com a certeza que acontecesse o que acontecesse este era o ano em que iria tentar engravidar. Assim foi.

    Chegou o agosto já eu estava em casa com gravidez de risco e o meu contrato foi renovado por mais um ano. Um alivio confesso, mas tenho a certeza que nãi ia adiar mais este sonho. É a nossa vida. A nossa felicidade e só vivemos uma vez.

    Estou a poucas semanas de ter o meu príncipe e apesar do medo do que vem aí não há nada que pague o que estou a viver.

    Pensa em ti! Poupa noutras coisas e arrisca!!

    ResponderEliminar
  18. Olha eu tenho uma amiga que está com umas poucas de semanas e tenho-te a dizer que é com algumas dificuldades, aqui e ali e com muita ginástica, que ela diz que vai ter de fazer, mas a felicidade dela e a alegria dela tem contagiado toda a gente que tenho-te a dizer que se é mesmo o que queres e o que sentes, quem sabe se isso não trará ainda mais coisas boas à tua vida e se a tua vida e a dos que te rodeiam melhora? Ouvi falar tanto no Baby boom em história e sei que é complicado pensar nisso quando é tudo tão negativo, mas quem sabe isso não é um ponto de viragem? Eu sei que sou só leitora e não tua amiga ;) mas temos que começar por algum lado a virar esta treta desta crise!

    ResponderEliminar
  19. Não posso dizer a 100% que entendo a tua situação porque tenho a sorte de ter alguma sorte. Mas sempre ouvi dizer e acredito que quando se quer muito alguma coisa, tudo o resto são peanuts. Concordo com a Miss Blue Eyes, não adies algo com que sonhas, poder-te-à sair-te mais caro que imaginas. O meu pai tinha 6 irmãos e no natal recebiam um par de meias, um frango tinha de chegar para 9 pessoas. E aí estão eles, bem formados e felizes. Com amor podemos fazer muito. Acredito nisso.

    ResponderEliminar
  20. Sou mãe há apenas 12 meses, e também nós casal, estamos a sofrer as consequências desta crise financeira mas acredita que mesmo tendo menos dinheiro do que antes da nossa bebe nascer não lhe falta nada (e refiro-me a vacinas que não fazem parte do plano nacional de vacinação, pediatra, leite artificial e não a outras coisas superficiais). A grande diferença é que agora raramente compramos roupa/calçado para nós, raramente vamos jantar fora. Não recuso roupa usada das filhas das minhas amigas e não lhe compro roupa de "marcas". Temos que nos convencer que os tempos mudaram e que se pensarmos no €€€€ então nunca realizamos o sonho da maternidade/paternidade. Este testemunho é apenas a minha visão das coisas... ás vezes fico escandalizada com o que os pais dão aos filhos (já maiores claro). Há pais que compemsam a falta de tempo para os filhos com bens materiais e isso é tão ou mais grave do que pensar-se que não se tem condições para criar um filho...

    ResponderEliminar
  21. Quando era miúda pensava como tu. Um dia conheço o tal e caso ou não mas tenho pelo menos 3 filhos!!!
    Cheguei aos vinte e descobri que não conheci o tal e nem queria ter filhos. Nem 1 nem nenhum! Agora a meio dos trinta dou por mim a viver com o tal e a querer 1 e só 1 filho! Ando adiar desde os 30 anos e agora com 34 começa a ser tarde e até acho que já não vou conseguir sem tratamentos depois de tantos anos a pílula! É a pior altura e se eu soubesse o que sei hoje já teria tentado a mais tempo, mas vou deixar a natureza seguir o seu curso e se não acontecer é porque não tinha que acontecer. Este é o meu conselho para ti. Não adies até ser tarde demais.
    Espero que não seja tarde demais para mim!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  22. Eu sou mãe solteira... faço o pino se tiver que ser para ter comida na mesa, mas só agora é que a minha vida tem sentido. Não há nada melhor que ser Mãe.

    ResponderEliminar
  23. Eu tenho estado constantemente a adiar, não por causa da crise, mas porque ao longo do tempo na minha vida, o prazer de ser mãe tem sido sempre negado pelas pessoas em quem confiei. Hoje tenho 36 anos a caminho dos 37 e estou a tentar engravidar desde Fevereiro e até agora não consegui.

    Talvez tenha adiado demais este meu sonho, um sonho que alimento desde (eu sei que parece estranho) os meus 16 anos, quando a minha prima nasceu. Talvez não seja mais fértil, talvez nunca mais venha a ter filhos!

    Mas mais uma vez volto a dizer que a crise não é desculpa para se adiar ter filhos. Nós vivemos uma era (APESAR DA CRISE) muito abonada. Não é preciso ir muito atrás no tempo para se ouvir histórias de casais que tinham filhos com apenas uma pessoa a trabalhar em casa. As famílias não tinham carros (quanto mais um para cada pessoa), as famílias não iam de férias para o estrangeiro, quanto muito iam até à terra buscar batatas e chouriços para o resto do ano, as pessoas não tinham tv por cabo, nem iam jantar 3 a 4 vezes por mês fora, não iam ao cinema a não ser muito de vez em quando, não compravam roupa de marca, não faziam unhas de gel e iam ao cabeleireiro uma vez por mês (quem ia). Mas tinham filhos e davam-lhes amor e eram felizes. E esses filhos são hoje os nossos pais, que também nos educaram numa época muito menos abonada e hoje quase todos temos um curso e vamos de férias e conhecemos o mundo e temos um carro por pessoa em casa.

    Acho sinceramente que as pessoas perderam completamente a noção do que é necessário para se ser feliz.

    Eu dava tudo, a casa o carro e até o emprego, apenas para poder ser mãe!

    ResponderEliminar
  24. Antigamente, o dinheiro era pouco, não haviam os confortos que as casas hoje têm, não havia os médicos e hospitais que hoje existem, lavavam-se fraldas à mão e... a minha avó teve 13 filhos, nunca se arrependeu disso e sempre os amou muito.
    Não adies o teu sonho... há sempre coisas onde podes cortar e poupar uns euros, toalhetes reutilizáveis, amamentar, roupas de bebé de algum familiar, etc...
    Ás vezes as pessoas esperam a altura certa, e depois essa altura chega e o bebé não vem... ou porque não se consegue engravidar, ou porque se engravida e... corre mal, e os anos vão passando.
    Nisto da maternidade não convém deixar para muito tarde, o nosso organismo também envelhece...
    Quando tiveres o teu bebé nos braços, vais pensar: Se eu soubesse... Se eu soubesse tinha engravidado mais cedo!
    É tão bom ser mãe ;)

    ResponderEliminar
  25. Este podia ser um post da minha autoria, há uns meses atrás. Hoje, grávida de 7 meses e meio, empregada com o salário minimo nacional (pouco mais) mas com o parceiro desempregado e a bater mal :| digo que nunca ponderei tanto a hipótese da emigração. Tenho uma casa pra pagar (que ainda não está acabada), fartei-me de gastar dinheiro por causa do bebé nomeadamente um carro grande (para os 3)e um pequeno (para ele), roupas, cremes, etc etc. Concluo que ter um filho nos dias que correm, é um luxo!

    ResponderEliminar
  26. Ser mae pra mim é um sonho, e devido a uma doença que tenho, deveria ser mae antes dos 30. Tenho 26, vivo com os meus pais e não tenho prespectivas de conseguir sair de la!! O meu ordenado e o do meu namorado mal dariam para pagar as contas... quanto mais para um filho... Ja chorei muito mas pela minha sanidade mental, deixei de pensar nisso e viver um dia de cada x, e tentar pensar positivo!!

    *

    ResponderEliminar
  27. Eu penso nisso muita vez, apesar de ainda não estar nos meus planos.
    Não creio que vá deixar de ter filhos por causa da crise, mas inevitavelmente os sacrifícios serão muito maiores e nem sempre será possível dar aos nossos filhos tudo o que gostávamos.
    É verdade que antigamente os filhos criavam-se com pouco, mas antigamente a mãe ou a avó estava em casa e tinha condições para ajudar. As coisas mudaram... eu vejo o meu caso, a minha mãe trabalha tal como eu e a minha avó está com 80 anos.
    Quanto à idade ideal, para mim, é quando estivermos preparadas para esses sacrifícios. Antes disso não vamos dar o melhor de nós e se deixarmos passar muito tempo por isto ou aquilo (porque há sempre uma ou outra razão para adiar)corremos o risco de chegar o dia e ser tarde demais.

    ResponderEliminar
  28. ohh como te percebo, nao e nada facil! e que digam que antigamente tinham filhos com menos, mas as coisas mudaram, e se nem o nosso emprego e garantia como conseguimos garantir o futuro de um ser que vai estar tao dependente de nos? fica sempre um para mais tarde :|

    ResponderEliminar
  29. vocês que dizem que a crise não é desculpa para não ter filhos, será tem noção quanto custa um simples pacote de fraldas, a mensalidade de um infantário, proporcionar uma alimentação e educação decente???

    ResponderEliminar

Opinem!

© Perturbações. All rights reserved.
BLOGGER TEMPLATE BY pipdig