13 de março de 2013

Jorge Mario Bergoglio

Francisco I é o nome escolhido pelo novo Papa. Numa altura em que o mundo precisa desesperadamente de recuperar a sua fé, isto é o que se sabe de Jorge Bergoglio:

"Opõe-se ao aborto e à eutanásia, mantém a posição da igreja relativamente à homossexualidade e condenou fortemente a legislação para permitir o casamento gay na Argentina, introduzida em 2010, mas sublinha a importância de respeitar as escolhas individuais." in Público 
Entre outras coisas, é o que me tem afastado da igreja desde a adolescência. Não me parece que alguma coisa vá mudar assim...  
SHARE:

12 comentários

  1. Uns conseguem ver o copo meio-cheio e outros só conseguem ver o copo meio-vazio.
    Vamos esperar para ver o que vem de um Papa que escolheu chamar-se Francisco e é contra luxos e opulências.

    ResponderEliminar
  2. Veremos... tenho fé na mudança, apesar de tudo.

    ResponderEliminar
  3. Devias ler a noticia toda, ou então não transcreveres apenas o que te convém.

    Porque no mesmo jornal podes ler:
    "É também conhecido pela sua modéstia – Allen recorda que recusou viver no palácio apostólico, que trocou por um apartamento na capital argentina, dispensou a limusina e cozinha as suas próprias refeições – e pela preocupação com os mais pobres. O Guardian escreveu que, em 2001, quando João Paulo II o nomeou cardeal, Bergoglio pediu aos fiéis que, ao invés de se deslocarem a Roma, distribuíssem o dinheiro da viagem entre os mais pobres. Durante a crise económica que atingiu o país, surgiu como uma voz da consciência nacional e, por várias vezes, tem alertado para as consequências da globalização desregrada para os que já sobrevivem com muito pouco."

    ResponderEliminar
  4. Querida, não é só isso que se sabe. Na mesma notícia há uma série de coisas boas, como o facto de se dedicar muito aos mais pobres, de ser humilde, de ter renunciado a luxos, entre outras coisas. Atenção que eu não tenho as mesmas opiniões que ele relativamente aos assuntos que abordas nesse pequeno excerto, mas compreendo que um homem da igreja, com 76 anos mantenha ainda uma opinião conservadora sobre os mesmos. De qualquer forma, resta-me esperar que seja um bom homem, com um bom coração e que faça coisas boas pela igreja e pelas pessoas que mais necessitam.

    ResponderEliminar
  5. Mas pelo menos sabe que é importante respeitar as escolhas individuais. Será que não o condena simplesmente como membro da igreja? Será que se opõe enquanto pessoa?
    O Turkson, cardeal do gana, defende a pena de morte a homossexuais. Parece-me infinitamente pior.

    ResponderEliminar
  6. Pois, mais do mesmo. Já me deixei disso há muitos anos. Eu e a Igreja (seja ela qual for) somos incompatíveis.

    ResponderEliminar
  7. Tem piada que tinha lido exactamente o contraio! até tinha acabado de fazer um texto sobre isso

    ResponderEliminar
  8. A minha opinião é igual à da maioria que até agora comentou... é um homem que respeita as escolhas individuais, humano, preocupado com os outros, que rejeita o luxo... parece-me uma excelente opção :)

    Mas claro quando se fala de Igreja, normalmente as pessoas só vêem uma parte da história. A Igreja é feita de pessoas como nós e enquanto as pessoas abandonarem a Igreja por esta ser conservadora, ela nunca vai ficar actual porque só as carcaças velhas lá ficam... o que quero dizer é que cabe a nós ir mudando as pequenas coisas e ir actualizando a nossa Igreja.

    Contudo, acho que seria previsivel ser um Papa com este pensamento desde que não seja radical (atenção que nao concordo nada com esta posiçao, mas acho que seria de esperar)

    ResponderEliminar
  9. Neste momento de conflitos por interesses ativistas e de domínios, espero que o novo papa seja iluminado e que prevaleça a natureza divina.

    ResponderEliminar
  10. É muito bom ser ateísta. Não é preciso ficar com dúvidas

    ResponderEliminar

Opinem!

© Perturbações. All rights reserved.
BLOGGER TEMPLATE BY pipdig